Ir Arriba

O Prêmio Mundial da Alimentação 2020 convoca a uma gestão sustentável do solo para aumentar a produtividade agrícola

Rattan Lal, ganador del Premio Mundial de la Alimentación 2020 y el Director General del IICA, Manuel Otero.
Rattan Lal, vencedor do Prêmio Mundial da Alimentação 2020, e Manuel Otero, o diretor-geral do IICA.

San José, 7 de julho de 2020 (IICA). Rattan Lal, vencedor do Prêmio Mundial da Alimentação 2020, instou a promover uma agricultura cada vez mais eficiente, capaz de produzir mais com menos e em harmonia com o meio ambiente, o que torna essencial preservar a saúde do solo.

Lal, considerada uma das mentes científicas mais influentes do mundo, teve uma conversa virtual com o diretor-geral do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), Manuel Otero, como parte de uma série de reuniões de alto nível promovidas pelo Instituto para analisar o impacto da Covid-19 em questões de segurança alimentar.

No diálogo, focado no manejo do solo e no desenvolvimento sustentável, o ilustre professor universitário de Ciências do Solo e diretor do Centro de Gerenciamento e Captação de Carvão da Ohio State University, explicou que esse recurso natural é crucial para avançar no cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), relacionados ao fim da pobreza, fome, saúde e bem-estar, água potável e saneamento, ação pelo clima e vida dos ecossistemas terrestres.

“A saúde do solo está intimamente ligada à saúde humana e ao bem-estar humano. Essa relação nos diz que os ODS e a saúde do solo, matéria orgânica, os solos, estão todos conectados. A saúde dos solos e a saúde humana são afetadas pela nutrição e qualidade dos alimentos produzidos”, disse Rattan, autor de 22 livros e quase 1.000 artigos em revistas científicas. 

Otero, entretanto, concordou que "para o futuro da humanidade, é muito importante levar em consideração a saúde dos solos", além de transmitir essa mensagem aos pequenos agricultores e fornecer cooperação técnica para promover a reestruturação dos solos agrícolas e a promoção de modelos de produção mais pragmáticos e holísticos.

O premiado pesquisador detalhou na palestra que um solo saudável também tem a ver com a nutrição de um alimento. Nesse sentido, ele enfatizou que a América Latina e o Caribe deveriam se concentrar na solução de problemas devido à degradação e erosão de seus solos cultiváveis.

"A degradação dos solos dos pequenos agricultores afeta não apenas sua produtividade e a renda de suas propriedades, mas também a qualidade nutricional dos alimentos que produzem", afirmou.

“É um problema na América Latina; A erosão do solo mostra que 20% dos solos são afetados, especialmente na América Central; desertificação de 17% na Colômbia, 28% no Equador, Chile 62% e no nordeste brasileiro. E a salinização, especialmente nos pampas e outras partes da Argentina, Peru e lugares áridos, são problemas sérios", acrescentou o também vencedor do Prêmio Nobel da Paz em 2007.

Rattan também enfatizou a importância da matéria orgânica para os solos, pois ao momento de produzir, permitiria reduzir o uso de pesticidas e fertilizantes químicos, destacando o papel dos solos no sequestro de carbono e apontou a grande tarefa que a agricultura deve reduzir suas emissões de gases de efeito estufa, onde a meta para 2050 é atingir zero emissões líquidos.

 “Precisamos pensar em uma agricultura que integre diferentes culturas às árvores, ao gado, que adote práticas que ajudem os solos a regular doenças e com um bom sistema integrado de gerenciamento de nutrientes. Você também precisa obter mais com menos uso de produtos químicos. Ao reduzir o uso de pesticidas e fertilizantes químicos, a saúde e o conteúdo orgânico do solo, melhoram ”, afirmou.

"A agricultura não pode ser um problema, deve fazer parte da solução para enfrentar as mudanças climáticas, porque não podemos sobreviver sem agricultura. A região tem um grande potencial de sequestro de carbono na vegetação e como resultado da redução de emissões da agricultura. A América Central e do Sul reduziram suas emissões por unidade de produção, um excelente sinal em termos de cultivo, mais do que o gado, mas devemos continuar trabalhando nisso e o IICA desempenha um papel fundamental lá ", acrescentou Lal.

O cientista, cujo trabalho se concentrou no potencial dos solos para ajudar a resolver problemas globais como mudança climática, segurança alimentar e qualidade da água, concluiu ponderando que é importante promover a agricultura sustentável, apoiar os agricultores a tentar colocar a ciência em ação e demonstrar que a saúde e o bem-estar humanos não podem ser desconectados da saúde dos solos e da natureza, porque andam de mãos dadas.

"Temos que apoiar os agricultores para que eles possam cuidar da terra, capacitar agricultores, e muitos são mulheres, muitas são mulheres agricultoras", concluiu.

 

Mais informação:

Gestão da Comunicação Institucional do IICA.

comunicacion.institucional@iica.int